O que é?
É um tratamento minimamente invasivo das obstruções da artérias coronárias através de um cateter balão e do implante de uma prótese metálica (stent) para o restabelecimento do fluxo coronário. Atualmente existem dois tipos de stent: o convencional e o farmacológico, ou eluído com droga. Os dois tipos de stent têm a mesma função, porém os stents convencionais podem levar a uma cicatrização exacerbada do local tratado, levando a uma reobstrução do canal arterial (a reestesone). Nestes casos, as taxas de reestenose podem chegar a cerca de 20% dos casos. Os stents farmacológicos são próteses metálicas recobertas com drogas, que são liberadas no local tratado levando a uma redução acentuada do processo cicatricial. Devido ao baixo risco de trombose, os pacientes submetidos ao implante de stent farmacológico deverão fazer uso prolongado do Clopidogrel e Aspirina.

O que acontece antes do procedimento?
Ao chegar à recepção, um funcionário realizará o seu cadastro e verificará a autorização do exame. Em seguida, será entregue um Termo de Consentimento que deverá ser assinado pelo paciente e/ou seu responsável legal, estabelecendo assim a conformidade e a autorização para realização do procedimento. O paciente e/ou responderá a um questionário sobre os antecedentes patológicos, medicações de uso regular e alergias.

Como é realizado o procedimento?

O procedimento é realizado sob anestesia local e poderá ser feito através de punção de uma artéria e/ou veia da perna ou braço. Em seguida, são introduzidos cateteres especiais, guiados até o coração, por meio de um equipamento especial de Raios-X. Após a localização da obstrução coronária, é introduzido um fio metálico na artéria coronária acometida e, então, um pequeno balão é posicionado no lugar da obstrução, sendo progressivamente insuflado, a fim de diminuir a obstrução. Devido às características elásticas das artérias, após a dilatação com o balão, poderá ocorrer o recolhimento elástico do vaso, causando uma nova obstrução local. Por isso, atualmente, na quase totalidade dos casos, realiza-se o implante de stent, sendo este responsável pela parede do vaso, evitando o chamado “recoil” (recolhimento elástico do vaso).

Quem realiza o procedimento?
Médicos cardiologistas com treinamento específico em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista.

Onde o procedimento é procedimento?
No Laboratório de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista do Instituto Santista de Hemodinâmica (ISH).

Qual é a duração do procedimento?
A duração do procedimento é variável e dependerá de cada caso, da anatomia, do número de segmentos e vasos a serem tratados, bem como a complexidade das lesões abordadas. Em média, o procedimento é realizado entre 30 e 45 minutos, podendo durar até duas horas.

Quais são os riscos da angioplastia?
As complicações mais graves como óbito, infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral, necessidade de cirurgia de revascularização miocárdica de urgência e sangramento no local da punção são raras e os riscos de ocorrência são inferiores a 1%.Outros riscos, devido ao uso de contraste, como alergia, arritmias e insuficiência renal, também podem ocorrer. Como descrito, tais complicações são raras e o exame é realizado por uma equipe médica altamente especializada e qualificada, com preparo para atender a qualquer tipo de complicação.

O que acontece após a angioplastia?

Logo após o término do procedimento, é realizado um curativo local e o paciente é encaminhado para a Unidade Coronariana, onde permanecerá por um período de 24 horas.